GPA adota ecossistema inovador e negócios disparam

gpa
Otavio Thomé, head de Inovação do GPA, comanda a estratégia no segmento. Em meio à pandemia, o e-commerce do GPA cresceu mais de 250%, a entrega express passou de 93 lojas para mais de 280  e o James saltou 1.000% Foto: Reprodução Regina Carvalho

Quem vai ao supermercado não imagina a grandeza do ecossistema criado em torno desse negócio. O GPA, com mais de 1.072 lojas em 20 estados e no Distrito Federal, vem investindo pesado em inovação e atendimento cada vez mais focado em informações e nos desejos da clientela, mudando o perfil do varejo. Vale lembrar que a infraestrutura conta ainda com 24 Centros de Distribuição (CDs) ao redor do País e 110 mil colaboradores.

Aceleração

A pandemia do novo Coronavírus teve um impacto de acelerar o digital na maioria das empresas e quem já estava preparado conseguiu capitalizar mais benefícios surfando nessa onda, se aproximando e atendendo melhor à clientela, além de captar novos consumidores. 

O e-commerce do GPA já cresceu mais de 250%, a entrega express passou de 93 lojas para mais de 280 no segundo trimestre de 2020, focada na demanda do cliente.

Foram ainda inaugurados mais três Centros de Distribuição para aumentar a capilaridade. E o James saltou mais de 1.000% neste ano, com a disparada da demanda por entregas. Foi também lançado o restaurante delivery, em parceria com a Cheftime, em São Paulo e Rio de Janeiro, devendo chegar a mais cidades em breve.

Estratégico

Otavio Thomé, head de Inovação do GPA, enfatiza como essa ação é estratégica dentro do varejo. Ele participou do FoodTech Movment 2020 e mostrou que a área de inovação do Grupo nasceu em março de 2017, sendo pioneira no lançamento dentro do setor alimentar no e-commerce. Também partiu na frente em programas de fidelidade e na criação do app do Clube Extra.

A partir daí, destaca Otavio, começou a ser disseminada a cultura de inovação dentro do Grupo, que atualmente é uma das ferramentas mais importantes e termômetro para o andamento dos negócios. Em 2018, veio o GPA Lab, com um olhar para o ecossistema de forma ainda mais estratégica e de planejamento, e a aquisição do James, startup de delivery.

Começaram a notar um interesse grande pela entrega do e-commerce de conveniência e veio a possibilidade de alavancar esse perfil de compra a partir dos dados desses clientes. Foi criado então um comitê de inovação do GPA para ir ao encontro das necessidades da clientela e começaram a ter produtos de foodtechs nas lojas.

Em março de 2019 veio a parceria com o Cubo, do Itaú, já mirando startups de automação de processos. A área de negócios passou a demandar mais e mais inovação e foi formalizando o Programa IN para pulverizar as ações inovadoras.Em fevereiro de 2020, veio a parceria com a Endeavor,que é a maior rede de aceleração de empreendedores do mundo scaleup. Depois foram formadas parcerias com gente que trabalha com ciência de dados e a pandemia trouxe uma ainda maior aceleração da estruturação digital no GPA. 

Pilares

Atualmente, observa Otavio Thomé, os pilares estratégicos da transformação digital no GPA estão direcionados para o incremento de receita da companhia, redução de custos, melhoria experiência do cliente e para escalar o negócio. A partir da cultura de integração contam com dados de mais de 20 milhões de clientes na base e extraem informações para melhorar a experiência do consumidor. 

O GPA também se aproximou mais das universidades, buscando mapear o futuro do varejo alimentar com estudantes deste segmento. Eles consideram desafiador e buscam novas soluções e alternativas para coisas. O objetivo é focar em soluções de consumo personalizadas, saudáveis, usando a tecnologia a favor da experiência do cliente.