Exportações de calçados no Ceará caíram 34% até julho

sapato
O Ceará ainda é o segundo exportador em volume e receita, perdendo apenas para o Rio Grande do Sul

O segundo exportador de calçados nos primeiros sete meses do ano no País, o Ceará embarcou 15,6 milhões de pares, que geraram US$ 89,95 milhões, quedas de 34,2% em volume e de 39% em receita gerada, respectivamente, no comparativo com o igual período do ano passado. 

A expectativa de uma melhora nas encomendas do mercado externo foram frustradas em julho, conforme dados elaborados pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados).

De janeiro e julho deste ano, o principal exportador de calçados brasileiros foi o Rio Grande do Sul. No período, os gaúchos embarcaram 12 milhões de pares por US$ 171,9 milhões, quedas de 29,2% e de 33,3%, respectivamente, ante o mesmo ínterim do ano passado. 

Brasil

Em todo o País, considerando somente o mês de julho, os calçadistas brasileiros embarcaram 6 milhões de pares, que geraram US$ 48,78 milhões, quedas tanto em volume (-26,8%) quanto em receita (-43,6%) ante o mesmo mês de 2019.

Com o resultado, no acumulado dos sete primeiros meses de 2020, as exportações somaram 49,13 milhões de pares e US$ 379,27 milhões, quedas 24,5% e 33,1%, respectivamente, no comparativo com período correspondente do ano passado. 

Mercados em crise

O presidente-executivo da Abicalçados, Haroldo Ferreira, destaca que alguns dos principais mercados internacionais para o setor calçadista brasileiro, caso dos Estados Unidos e Argentina, estão demorando mais para sair da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. Ele destaca que o maior mercado estrangeiro para o produto verde-amarelo, os Estados Unidos, viu seu PIB despencar quase 33% no segundo trimestre do ano, uma queda histórica, e que o fato aponta para uma queda no consumo naquele país. “A expectativa é de que registremos uma queda de 30% nas exportações ao longo de 2020, tendo uma pequena melhora somente no último trimestre do ano, isso a depender dos resultados das principal feira internacional para o setor, a Micam Milano, que acontece no final deste mês”, projeta o executivo. 

Principal mercado internacional para o calçado brasileiro, os Estados Unidos foram destino de 4,97 milhões de pares, que geraram US$ 48,78 milhões nos sete primeiros meses do ano. As quedas foram de 31,1% em pares e de 36,8% em receita no comparativo com igual período de 2019. Somente no mês de julho, as exportações para os Estados Unidos caíram 28,2% em pares e 51,7% em receita no comparativo com julho do ano passado, alcançando 571,54 mil pares e US$ 9,32 milhões. 

Argentina

Já a Argentina, segundo destino do calçado verde-amarelo no exterior, foi destino de 3,72 milhões de pares, que geraram US$ 37,8 milhões nos sete primeiros meses de 2020. As quedas foram de 19,9% em volume e de 29,8% em receita no comparativo com período correspondente do ano passado. O recorte de julho aponta que os argentinos importaram 536 mil pares por US$ 5,4 milhões, quedas tanto em volume (-54,9%) quanto em receita (-47,8%) ante o mesmo mês do ano passado. 

O terceiro destino do ano foi a França, mercado que teve recuperação em julho, com incremento de 123% em pares (619,58 mil) e de 5% em receita (US$ 7,3 milhões) ante o mês sete do ano passado. No acumulado dos sete meses, os franceses importaram 3,59 milhões de pares, pelos quais foram pagos US$ 32,4 milhões, quedas de 4,2% e de 2,3%, respectivamente, ante período correspondente do ano passado.