Atividade turística no Ceará caiu 33,5% de janeiro a maio

fortal
Em maio deste ano, comparado em relação ao mês anterior, o índice das atividades turísticas no Ceará continuou declinando, com retração de 4,4%

Em maio, o índice das atividades turísticas no Ceará caiu 75,1% em relação ao mesmo mês do ano passado, registrando a terceira taxa negativa seguida e a mais intensa da série histórica. No acumulado do ano, o agregado especial de atividades turísticas mostrou retração de 33,5%, e no acumulado de 12 meses a retração foi de 12,5%.

Contra abril, a retração nas atividades relacionadas ao turismo no Estado foi de 4,4%, de acordo com IBGE.

Serviços

Já os Serviços recuaram 1,9% no Estado em maio, quarta queda consecutiva do setor. O dado veio após o tombo recorde registrado em abril (22,7%), apontando os efeitos das medidas de isolamento social para conter a pandemia de Covid-19. O setor cearense acumula uma perda de 29,4% no período. No acumulado no ano, o setor ficou em -11,9% e, nos últimos 12 meses, recuou 3,2%. 

O gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, destaca que apesar de ser o quarto mês com taxas negativas, a queda do mês de fevereiro tinha caráter conjuntural. Já os efeitos do isolamento social começaram a ser sentidos em março, que teve os últimos dez dias com paralisação.

Cenário desfavorável

Essa taxa de -1,9% mostra um aprofundamento de um cenário que já era muito desfavorável para o setor de serviços. Ter um resultado ainda negativo quando a comparação é feita com abril, mês que tivemos o pior resultado da série histórica (-22,7%), é bastante significativo.

Na comparação com maio do ano passado, o setor de serviços recuou 29,9%, registrando a taxa negativa mais intensa desde o início da série histórica. Quatro das cinco atividades também tiveram retração. Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-51,2%) e os serviços prestados às famílias (-65,4%) foram principais influências negativas no índice geral. Essas atividades sofreram forte impacto das medidas de isolamento social no país.

Os serviços de informação e comunicação tiveram queda mais acentuada no comparativo com o mesmo mês de 2019, passando de -4% em abril para -8,9% em maio. Por outro lado serviços profissionais, administrativos e complementares desacelerou a queda, passando de -18,8% para -9,5%. Outros serviços foi o único com variação positiva, de 2,5%.