Arrecadação federal é a melhor desde 2011

grana
Representantes da Receita Federal apresentaram nesta quinta-feira os resultados da arrecadação e informações macroeconômicas Foto: Receita Federal

Com a carga tributária elevada, a arrecadação total das receitas federais atingiu, em julho de 2019, o valor de R$ 137,73 bilhões, registrando acréscimo real de 2,95%. O ganho, descontado a inflação, é considerado em relação a julho de 2018. Trata-se do melhor desempenho desde julho de 2011. No período acumulado, de janeiro a julho de 2019, a arrecadação totalizou R$ 895,33 bilhões, representando acréscimo real (IPCA) de 1,97% em comparação ao mesmo período do ano anterior.

Quanto às receitas administradas pela Receita Federal, o valor arrecadado, em julho de 2019, foi de R$ 127,63 bilhões, resultando em crescimento real (IPCA) de 4,15%, enquanto no período acumulado de janeiro a julho de 2019, a arrecadação alcançou R$ 854,28 bilhões, isto é, acréscimo real (IPCA) de 1,60% relativamente a igual período de 2018.

Segundo o chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita, Claudemir Malaquias, o resultado do mês foi influenciado por eventos atípicos.

O principal motivo foi o aumento da arrecadação de receitas extraordinárias de aproximadamente R$ 3,2 bilhões com Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido.

De acordo com Malaquias, isso aconteceu devido a reorganizações societárias, em que há incidência dos tributos sobre o ganho de capital com a nova organização societária das empresas. De acordo com a Receita, também houve influência do crescimento da arrecadação de depósitos judiciais. A arrecadação segue em crescimento acima do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no País, mas ainda está abaixo da expansão das despesas, conforme afirma o representante da Receita Federal. O aumento da arrecadação ajuda o governo a cumprir as metas fiscais, aponta.