Vendas de cimento acumulam crescimento de 2,8%

cimento
As vendas de cimento começaram o segundo semestre com um crescimento mais robusto Foto: Freepik

Um dos principais insumos da construção civil, o cimento é um termômetro de como vai o setor da construção civil. Ainda não apresenta crescimento elevado, mas as vendas acumuladas do produto de janeiro a julho de 2019 chegaram ao montante de 30,8 milhões de toneladas, um aumento de 2,8% sobre igual período do ano passado, de acordo com o Sindicato Nacional da Indústria de Cimento (Snic).

No mês de julho as vendas de cimento no Brasil somaram 5 milhões de toneladas, um crescimento de 8,1% em relação ao mesmo mês de 2018. Considerando as vendas internas por dia útil em julho, o que computa o número de dias trabalhados e tem forte influência no consumo de cimento - apresentaram alta de 1,2% em relação a junho, de 3,8% sobre julho de 2018 e de 2,5% no acumulado do ano.

Já nos últimos 12 meses (agosto de 2018 a julho de 2019), as vendas acumuladas alcançaram a marca de 53,5 milhões de toneladas de cimento, um aumento de 1,3% em comparação com o mesmo período anterior (agosto de 2017 a julho de 2018).

Segundo Paulo Camillo Penna, presidente do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC), o segundo semestre começa com um crescimento mais robusto.

“Conforme já era esperado o segundo semestre iniciou com um melhor desempenho. A aprovação da Reforma da Previdência, o desempenho do mercado de construção imobiliária e a retomada das obras do programa Minha Casa, Minha Vida contribuíram significativamente para o resultado”, completa o executivo. O mercado imobiliário continua sendo um importante vetor no desempenho da indústria. “O número de financiamentos para novas construções continua numa trajetória de alta. Por outro lado, não podemos comprometer o financiamento habitacional com politicas de incentivos ao consumo, com riscos de frear a retomada da construção civil e consequentemente do consumo de cimento”, afirmou Paulo Camillo Penna.

O consumo aparente de cimento em julho, que compreende as vendas internas mais as importações, totalizaram 5 milhões de toneladas, uma alta de 7,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior. O acumulado do ano cresceu 2,7%. Ao comparar os últimos 12 meses (agosto de 2018 a julho de 2019), a alta no consumo atingiu 1,1% em relação ao mesmo período anterior (agosto de 2017 a julho de 2018). ”Outros fatores podem atrapalhar o desempenho da atividade, como o permanente aumento dos custos da indústria e, especialmente, a indefinição quanto à politica de frete, cujo atual tabelamento vem gerando forte instabilidade e incerteza para setor”, completa.