PIB brasileiro deve crescer menos em 2020 com Covid-19

covid
O primeiro pregão da B3 pós-Carnaval já mostrou o impacto nos mercados e receios frente ao novo coronavírus chegando ao Brasil Foto:Freepik

Se a economia brasileira já estava sem força, um componente que já aparecia no cenário, mas agora se configurou, deve trazer ainda menos tração à atividade econômica: a chegada do novo coronavírus (Covid-19) ao País.

Nesta segunda-feira (26), a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) já veio menor, passando de 2,23% para 2,20% em 2020, na segunda redução consecutiva. Mas tende a recuar mais, uma vez que os analistas de mercado ainda não tinham incluído em suas estimativas, antes do Carnaval, a confirmação do vírus no Brasil.

Bolsa desaba

Os receios quanto ao impacto do novo coronavírus sobre a economia mundial afetaram fortemente o mercado financeiro no retorno do carnaval. Em alta pela sexta sessão seguida, o dólar voltou a fechar no maior valor nominal desde a criação do real. Nesta quarta-feira (26), o dólar comercial encerrou a sessão vendido a R$ 4,444, com alta de 1,16%. A B3, Bolsa de  Valores desabou 7%, a maior queda diária em quase três anos.

O Banco Central (BC) vendeu, nos primeiros minutos de negociação, US$ 500 milhões em contratos de swap cambial – que equivalem à venda de dólares no mercado futuro – e anunciou um leilão de US$ 1 bilhão para a quinta-feira (27). Mesmo assim, os anúncios foram insuficientes para segurar a alta do dólar. 

No mercado de ações, a turbulência foi ainda maior. O índice Ibovespa, da B3, encerrou esta quarta-feira aos 105,718 pontos, com recuo de 7%. Essa foi a maior queda para um dia desde 17 de maio de 2017, quando o indicador havia caído 8,8% após a divulgação de conversas do então presidente Michel Temer.