Software cearense monitora ações de segurança sanitária

catharina
Software reconhece uso de máscaras faciais e toucas, avalia a eficácia da lavagem das mãos e rastreia quantitativo de pessoas no mesmo espaço 

Um grupo composto por médicos, pesquisadores, professores e alunos do Instituto Federal do Ceará (IFCE) e da Universidade Federal do Ceará (UFC) desenvolveu um software voltado para garantir a segurança sanitária nas cozinhas e nos salões dos estabelecimentos que comercializam alimentos.

O médico Rodrigo Astolfi conta que dentre os indicativos do software ele reconhece o uso de máscaras faciais e toucas, avalia a eficácia da lavagem das mãos e rastreia quantitativo de pessoas no mesmo espaço.

Inteligência artificial

Tudo acontece por meio do auxílio de câmeras de monitoramento atreladas a um programa de inteligência artificial. Nele são inseridos os tópicos que devem ser observados nas imagens.

Durante o pico de casos de Covid-19 no Ceará, o projeto piloto foi implementado pela primeira vez, em um restaurante localizado em Fortaleza. Rodrigo Astolfi destaca que a análise dos indicativos é ainda mais importante neste momento porque, muitas vezes, os alimentos podem conter vírus, bactérias, e adoecer quem os consome.

Rigor sanitário

"Como saber se a comida que você pede está sendo preparada com o devido rigor sanitário? Um índice de combinações matemáticas é capaz de mostrar o grau de higiene utilizado neste preparo. Temos alunos da Medicina envolvidos em uma próxima etapa deste projeto, que é analisar o padrão de comportamento. Agora, trabalhamos para identificar padrões, como indicativos que funcionários estão adoecendo, tosse, espirro e outras análises", acrescentou Astolfi.