CDL quer horário ampliado de operação nas lojas no Centro e shoppings

assis
Assis Cavalcante sugere que novos horários sejam adotados na quarta fase do plano de retomada, que pode começar na segunda-feira, dia 20, na Capital

Diante do cumprimento das medidas de segurança sanitária por parte dos comerciantes, o presidente da CDL Fortaleza, empresário Assis Cavalcante, defende que o horário de funcionamento das lojas de rua e dos shoppings da Capital seja ampliado. O objetivo seria adotar a mudança a partir de segunda-feira, dia 20.

Hoje, as lojas de rua ficam abertas das 10h às 16h, e as dos shoppings, das 12h às 20h. “Nós estamos estudando com o governo a possibilidade de ampliação, mas tudo só será feito com toda responsabilidade e toda segurança para que nós possamos vencer e chegar na quarta fase”, pontua. Ainda de acordo com o empresário, a ampliação do horário de funcionamento seria necessária para aquecer mais as vendas, gerando empregos e renda.

Para o presidente da CDL, no comércio varejista, os protocolos adotados pelos lojistas em conjunto com colaboradores e clientes têm contribuído para que o setor avance todas as fases sem retrocessos.

“Estamos fazendo todo o esforço na higienização frequente das lojas, os empregados estão utilizando os EPIs (equipamentos de proteção individual) e os consumidores são orientados a usar máscaras dentro e fora das lojas e limpar as mãos com álcool em gel. Por isso, nós estamos confiantes de que, em Fortaleza, passaremos para a quarta fase do plano de retomada”, afirma.

Circulação atual

Levantamento feito pela CDL de Fortaleza aponta que 82 mil pessoas estão circulando pelas ruas do Centro diariamente. Antes da pandemia, esse número chegava a 350 mil. Apesar de ser apenas 25% do total de consumidores habituais, Assis revela que a conversão em compras tem sido mais efetiva. “Quem está indo ao Centro está de fato indo para fazer compras, não para passear. Esse movimento tem crescido a cada dia e gerado boas vendas para o comércio”, conclui.

Shoppings

Já no caso dos shoppings centers, segundo Assis Cavalcante, essa conversão tem sido bem mais tímida. Para aumentar esse fluxo, ele sugere que as praças de alimentação funcionem no mesmo horário das lojas dos shoppings. Hoje, elas só funcionam até às 16 horas, mesmo horário estipulado para os restaurantes, em geral. “Essa medida é necessária porque é a forma de atrair o consumidor e gerar a venda. O público que vai para o restaurante acaba consumindo os produtos das lojas”, ressalta.