Cadeia da construção civil terá 27,1 mil pessoas retomando atividade

patriolino
"Agora poderemos voltar ao nosso trabalho. Voltar a vender e voltar a lançar empreendimentos. Fazer, de novo, a construção civil ser a mola propulsora da nossa economia”, disse Patriolino Ribeiro

A cadeia da construção civil retoma as atividades após três meses parada, inclusive as lojas que comercializam material para o setor. Os canteiros de obras são aqueles que estão erguendo edifícios com até 100 operários.

Serão 27.141 pessoas envolvidas no setor que voltam neste primeiro momento de transição, saindo do isolamento social, o equivalente a 31% do total, conforme o plano divulgado pelo governo estadual. É também o segmento com maior número de trabalhadores retomando a atuação nesta fase inicial, a partir de segunda-feira (1º/6).

O período em que as empresas ficaram paralisadas foi classificado pelo presidente do Sinduscon-CE, Patriolino Dias de Sousa,como uma situação bem difícil.

Agora, segundo comentou, a decisão que o governo divulgou nesta quinta-feira (28), foi um processo construído desde o início em uma articulação conquistada com a total participação da instituição.

“Nós fizemos ofício dando ciência dessas dificuldades, depois conversamos com várias secretarias (incluindo saúde e casa civil), criamos um protocolo de retorno aos trabalhos com toda a segurança e, por fim, fizemos parte do Comitê de Retorno às Atividades, junto ao governo, Fiec, OAB, Ministério Público e uma série entidades. Foi uma luta árdua, complexa, realmente desgastante",lembrou.

Segurança

A liderança da construção civil cearense disse que "agora, com total consciência, poderemos retornar ao trabalho. Mas a luta não para aí. Deveremos reunir todas as empresas associadas do Sinduscon-CE e garantir a segurança no retorno. Segurança para os nossos trabalhadores. Afinal, a vida está em primeiro lugar. Porém, agora poderemos voltar ao nosso trabalho. Voltar a vender e voltar a lançar empreendimentos. Fazer, de novo, a construção civil ser a mola propulsora da nossa economia”, concluiu.