Restaurantes no CE: faturamento cai 75% e 16% podem demitir

restou
A situação dos restaurantes cearenses preocupa, de acordo com a Abrasel-CE, com 71,5% dos empresários pretendem retomar as atividades com operação reduzida 

Empresários de todo o Brasil ouvidos pela Abrasel enfrentam dificuldade para manter os negócios: sem faturamento e com dívidas, não conseguem acessar crédito nos bancos. A Pesquisa Nacional de Situação de Crise foi realizada com 1558 estabelecimentos do Brasil entre os dias 15 e 18 de maio.

Os dados de estabelecimentos do Ceará apontam que, para 66% dos entrevistados, o faturamento caiu mais de 75%.

Mais de 80% das empresas precisaram renegociar o contrato de aluguel, e 55% dos empresários buscaram crédito nos bancos, embora quase a totalidade (81%) tiveram o empréstimo negado. Ainda segundo a pesquisa, no Ceará, se a atual situação se mantiver pelos próximos 30 dias, 16,51% dos empresários terão de demitir todos os funcionários.

“É um cenário muito desafiador, porque não bastasse a crise de saúde que estamos enfrentando, temos nos deparado com burocracias inimagináveis para ter acesso a empréstimos, num momento tão peculiar como este, quando 59% dos restaurantes estão trabalhando apenas com delivery, apenas para não fecharem as portas de vez, porque o retorno que se tem não chega nem perto do habitual”, afirma Rodolphe Trindade, presidente da Abrasel no Ceará.

*Outras constatações referentes ao setor no Ceará

- 51% dos fornecedores estão renegociando dívidas ou fazendo parcelamentos;
- 57% das empresas estão com dificuldades para repor os estoques para a reabertura;
- 39% dos empresários têm menos de um mês de visibilidade sobre o futuro do seu negócio;
- 71,5% dos empresários pretendem retomar as atividades com operação reduzida quando autorizado pelo governo;
- Na média, as empresas adotaram a suspensão de contrato pela MP 936 para 53% dos funcionários.