Desemprego no Ceará sobe de 10%para 12,1%

desemprego
No primeiro trimestre de 2020, as maiores taxas de desocupação no Estado atingem os jovens entre 14 a 17 anos (37,5%) e as mulheres (13,2%), comparando-se aos homens (11,2%)

O desemprego avança e no Ceará já registra a maior taxa de desocupação desde o 1º trimestre de 2018. A taxa de desocupação subiu de 10,1% no 4º trimestre de 2019, para 12,1% no primeiro trimestre de 2020, maior taxa desde do 1º trimestre de 2018 (12,8%), de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada nesta sexta-feira (15), pelo IBGE.

O  problema atinge com as maiores taxas os jovens entre 14 a 17 anos (37,5%) e as mulheres (13,2%), comparando-se aos homens (11,2%), no 1º trimestre de 2020. Considerando a cor ou raça, a maior taxa de desocupação foi das pessoas autodeclaradas pretas (13%), seguido de pardos (12,6%) e brancos (10,4%).

A taxa de desocupação por nível de instrução ficou mais alta para quem tinham nível superior incompleto (17,6%) e a menor ficou para quem possuía ensino superior completo (5,9%).

Alta em 12 estados

A taxa de desocupação no primeiro trimestre aumentou em 12 estados e se manteve estável nos demais, na comparação com o quarto trimestre do ano passado. As maiores taxas foram observadas na Bahia (18,7%), Amapá (17,2%), Alagoas e Roraima (16,5%), enquanto as menores em Santa Catarina (5,7%), Mato Grosso do Sul (7,6%) e Paraná (7,9%).

As maiores altas no desemprego foram no Maranhão (3,9 pontos percentuais), Alagoas (2,9 p.p) e Rio Grande do Norte (2,7 p.p). Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada hoje (15) pelo IBGE.

Em 15 unidades da federação, o desemprego superou a média nacional, de 12,2%. O país tinha 12,9 milhões de pessoas sem trabalho no primeiro trimestre, conforme já divulgado pelo Instituto.