TIM quer aumentar eficiência energética em 75% até 2025

tim
O setor de telecomunicações vem se mostrando essencial na pandemia e será mais relevante na nova realidade sempre mais digitalizada após a Covid-19, aponta o vice-presidente da TIM, Mario Girasole

A TIM pretende aumentar sua eficiência energética em 75% e reduzir em 70% suas emissões indiretas até 2025, além de se tornar uma companhia “carbono neutro” até 2030.

Atualmente, a empresa conta com cinco Centrais Geradoras Hidrelétricas no estado de Minas Gerais, 100% dedicadas às suas operações, e teve cerca de 50% do consumo de energia proveniente de fontes renováveis em 2019.

No aspecto social, as metas estão focadas nos colaboradores, com maior valorização da força de trabalho interna e desenvolvimento de novas capacidades.

Outro importante pilar é a atuação do Instituto TIM, que já beneficiou cerca de 700 mil pessoas em mais de 500 cidades desde a sua criação. Todas essas metas integram o 12º Relatório de Sustentabilidade da companhia, reforçando o compromisso com a gestão ética e transparente dos negócios. São destaques os objetivos de longo prazo para aspectos ambientais, sociais e de governança corporativa, que integram o plano da companhia e se alinham aos objetivos globais do Grupo TIM.

Responsabilidade e desafios

“O ano passado foi de grande evolução para a TIM. Apresentamos indicadores financeiros e operacionais históricos e, ao mesmo tempo, amadurecemos as metas ambientais, sociais e de governança, destacando nosso compromisso com todos os stakeholders. Não poderíamos deixar de reportar também, neste Relatório de Sustentabilidade, o momento atual. O setor de telecomunicações vem se mostrando essencial na pandemia e será ainda mais relevante na nova realidade sempre mais digitalizada que virá após a Covid-19. Estamos cientes dessa responsabilidade e dos desafios futuros”, comenta Mario Girasole, VP de Relações Institucionais da TIM Brasil.

Governança

A companhia quer ainda manter reconhecimentos de alto nível de comprometimento com a sustentabilidade e a governança corporativa – como a presença no Novo Mercado e na carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3 e o selo de Empresa Pró-Ética da Controladoria-Geral da União (CGU) –, e adotar as melhores práticas em matéria de conformidade, segurança da informação e proteção de privacidade.

O novo Relatório foi estruturado de acordo com a atualização da matriz de materialidade, que reúne os dez temas mais relevantes para a TIM Brasil de acordo com a visão dos principais stakeholders. O documento está disponível no site de RI da empresa (http://ri.tim.com.br/) e foi elaborado de acordo com a metodologia Standards, da Global Reporting Initiative (GRI), passando ainda por auditoria externa da Ernst & Young.