75% das atividades econômicas estão funcionando, diz Sedet

gov
Setores essenciais estão operando para garantir o abastecimento e serviços básicos e indispensáveis à população, como supermercados e farmácias Foto:Freepik

Apesar do novo decreto estadual que traz mais rigidez nas medidas de isolamento social, como uso obrigatório de máscaras e fiscalização na circulação de pessoas, quase 75% das atividades econômicas que compõem o Produto Interno Bruto (PIB) do Estado permanecem operando, segundo o governo estadual.

Desde o primeiro decreto que trata do isolamento social, publicado em 19 de março, foi mantido o funcionamento da maior parte dos setores econômicos.

“As regras não mudam para o setor produtivo e não agravam os impactos sobre a economia local”, afirmou o secretário do Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Maia Junior. O novo decreto vale a partir desta sexta-feira (8) e foi prorrogado até o dia 20 de maio.

Plano de retomada

Afetados pela crise econômica causada pela pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), os setores produtivos cearenses representados pelas Câmaras Setoriais e Temáticas do Estado têm contribuído para o plano de retomada das atividades econômicas cearenses. Atualmente, a Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), vinculada àSecretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet) já reúne planos de proposições de cinco segmentos e outros três encontram-se em andamento.

Ainda no mês de março, um grupo de Enfrentamento Econômico formado pelos secretários executivos e técnicos da Sedet, além de presidente e técnicos da Adece foi criado com o intuito de institucionalizar as proposições de urgência dos setores. Também no mesmo período, foram fundados oito agrupamentos setoriais e temáticos de acordo com a intersetorialidade existente entre as câmaras. 

Com reuniões diárias, o grupo de Enfrentamento Econômico também elaborou e veicula semanalmente boletins informativos Econômico e do Trabalho, Emprego e Renda. As publicações já estão na quinta edição e têm o intuito de informar tanto empresários quanto a classe trabalhadora.

"Desde sempre, o trabalho realizado com as Câmaras Setoriais e Temáticas é principalmente dar voz aos setores produtivos, resolver gargalos e propor soluções. No período de pandemia, é mais importante ainda ouvir quem gera riqueza no Ceará. Estamos mobilizando as câmaras para continuar recebendo proposições e enviando ao governador Camilo Santana. A ideia é que todos estejam devidamente preparados para o retorno das atividades quando isso for possível", explica o presidente da Adece, Eduardo Neves.

Neves destaca ainda que as propostas devem subsidiar o Grupo de Trabalho Estratégico liderado pela Casa Civil e têm o titular da Sedet, Maia Junior, como ponto focal para o envio das sugestões ao governador Camilo Santana. No entanto, o presidente da Adece destaca que, embora haja um trabalho contínuo para pensar sobre o retorno gradual das atividades, a implementação será realizada somente no momento oportuno, tendo em vista os indicadores monitorados e divulgados pela Secretaria de Saúde do Estado do Ceará (Sesa).