Como fazer investimentos em meio ao cenário de crise

investe
É importante separar uma parte do capital para aplicar em investimentos considerados seguros, pois, em tempos de recessão, o futuro acaba sendo mais incerto, e ter uma reserva financeira é crucial

Definir onde investir em época de crise financeira e sanitária, não é uma tarefa impossível, segundo especialistas, é preciso,entretanto, que as aplicações sejam muito bem planejadas.

O mundo passa por um período instável, por conta da Covid-19, especialistas apontam que a recessão global da pandemia pode ser pior do que a que se seguiu à crise financeira de 2008. O FMI prevê uma contração no Brasil superior a 5%. 

Avaliação

Mas, como agir? Primeiro, é fundamental fazer uma avaliação antes de tomar qualquer ação.

Em seguida, procure prever quais os efeitos das atitudes que você pretende tomar. No primeiro momento pode até parecer contraditório, mas investir em meio a uma crise financeira pode trazer uma série de vantagens.

O assessor de investimentos, Brendo Rodrigues, aponta alguns benefícios “entre os investidores, existe um termo chamado de ‘bear market’, usado para referir-se a tendência de baixa do mercado e é exatamente neste momento de queda que encontramos as melhores oportunidades”. Brendo destaca ainda a importância de separar uma parte do capital para aplicar em investimentos considerados seguros, pois, em tempos de recessão, o futuro acaba sendo mais incerto, e ter uma reserva financeira é crucial.O assessor de investimentos separou algumas sugestões para realizar algum tipo de investimento neste momento:

Renda fixa

Renda fixa é um tipo de investimento onde as pessoas conhecem ou podem prever a rentabilidade, antes mesmo de realizar a operação. É um investimento de baixo risco e tem como principal função proteger da inflação.  Na verdade, é um ótimo instrumento para uma estratégia de proteção e diversificação, e possibilita escolher diferentes prazos de vencimento, quanto maior o prazo, maior a remuneração:

- Tesouro Direto. Na prática o investidor está emprestando dinheiro ao governo.

- CDB significa Certificado de Depósito Bancário. Nesta aplicação o investidor empresta seu dinheiro para o banco e, em troca, recebe este capital corrigido com os juros.

Ações

Ações representam uma fração do capital social de uma empresa. Ao comprar uma ação o investidor se torna sócio da empresa, ou seja, de um negócio. Passa a correr os riscos desse negócio bem como participa dos lucros e prejuízos, por isso é necessário escolher criteriosamente, é importante que a empresa tenha longo histórico de crescimento e pagamentos de dividendos (divisão dos lucros da empresa).

O momento traz más perspectivas para o setor de aviação e turismo, pela diminuição dos voos provocado pelo coronavírus e boas perspectivas para empresas que vendem pela internet, no entanto é importante focar no longo prazo no investimento em ações, para não ser afetado por especulação, riscos momentâneos e crises.

No longo prazo, o que vai fazer a diferença é o crescimento da empresa, boas empresas crescem e o patrimônio do investidor cresce também. Assim, momentos de crise tendem a ser os melhores momentos para iniciar, ótimas empresas geradoras de caixa entram em ''promoção''

Um grande exemplo é a ação do ITAÚ (ITSA4), que paga historicamente bons dividendos. Quem comprou em 2015 está com mais de 100% de valorização do patrimônio (dividendos + valorização da ação). Quem comprou na crise de 2016 está com mais de 300% de valorização do patrimônio

Carteira equilibrada

O momento atual escancara a necessidade de uma carteira de investimento balanceada de acordo com o perfil de cada investidor, dividido em pelo menos três:

Reserva de emergência (para ser utilizado em casos de urgência, algum imprevisto)

Reserva de médio e longo prazo para algum objetivo específico (para troca de carro, casa ou até mesmo pensando em aposentadoria)

Investimento em ações (para real crescimento do patrimônio)