Freitas Cordeiro reforça demanda por Refis para o comércio

freitas
Freitas Cordeiro, presidente da FCDL-CE, considera que "o Estado precisa ser menos arrecadador e mais provedor"

Sobre as ações que lidera diante de uma crise econômica "tão onipresente no mundo quanto à crise da saúde", o presidente da Federação das CDLs do Ceará, Freitas Cordeiro, dá um recado esperançoso.

Segundo Cordeiro, desde a primeira manifestação enviada ao governador do Ceará, Camilo Santana, a preocupação demonstrada em relação ao comércio não é sobre quem vai abrir, mas sim como irá sobreviver quem está fechado.

"As reivindicações não são para uma abertura inconsequente, mas buscando medidas protetivas do Estado para estas empresas fechadas, principalmente as micros e pequenas que a FCDL representa e que, estatisticamente, são 95% do varejo cearense",diz.

O presidente da Federação cearense pontuou que "neste momento de excepcionalidade como o que estamos atravessando, ele precisa dar ênfase ao conceito de que o Estado precisa ser menos arrecadador e mais provedor. Dessa forma, coloca que o varejo cearense está suplicando ações governamentais que lhe permita uma expectativa de sobrevivência".

Para contextualizar sua resposta, Freitas Cordeiro ressaltou que esse segmento já vem combalido há muito tempo.

“Não sem razão, em novembro do ano passado, quando não se falava em pandemia, solicitei Refis, desaconselhado por conta do motim dos militares. Esta tem sido a minha luta, desde o primeiro momento”, destaca.

Com isso, a FCDL-CE afirma que "se mostra vigilante, monitorando e acompanhando o cenário cearense, além de contribui, propondo medidas para minimizar a crise que já se instalou, fazendo a representação perante o governo estadual.